isacosta.net » the geek side
25.11.07
categorias: , , ,
Quando mudei o meu blog primogénito para a plataforma dos blogs do SAPO, houve apenas uma coisa não consegui alterar: os URLs do feed no <head> do blog, que estavam associados a uma conta de Feedburner. Então, os visitantes, quando clickavam no icon do RSS, subscreviam directamente os feeds gerados automaticamente pelo SAPO. Isso fez com que deixasse de receber números reais sobre os meus subscritores. A unica coisa que fiz foi disponibilizar os links dos feeds via Feedburner na minha sidebar..

Hoje, o Nuno lembrou-se disso quando me viu a consultar a conta do Feedburner. Meteu mãos à obra e minutos depois apareceu-me com este javascript:

Coloquei-o nos componentes do blog, na personalização intermédia, testei-o, e o resultado foi o esperado...mais ou menos... Funciona em IE7 (o 6 nem sabe o que é isso) e Safari, mas não em Firefox, porque este parece parsar o RSS antes do javascript.

Vou continuar sem saber quantas pessoas subscreveram entretanto o blog com os feeds do SAPO, ou quem usou o URL do blog em agregadores, mas a partir de agora, as novas subscrições via browser já vão passar pelo Feedburner.. ou a maior parte delas, tendo em conta que só 30% das minhas visitas no blog em questão usa Firefox...não é uma solução, mas já é qualquer coisa :)

[Edit]

No IE7, funciona melhor se colocarmos o script no <head> logo depois das linhas que definem o feed do SAPO, visto que, umas vezes funcionava, outras não, dependendo da velocidade de carregamento do blog. Depois de ter movido o script do componente da sidebar para o <head> funciona sempre. É claro que para colocar scripts dentro do <head> do blog já é preciso usar a personalização avançada, e editar o layer do template...

[Edit]

O script foi actualizado para ser mais específico sobre quais feeds actuar. O método match('atom') apanhava também outro feed do SAPO que é incluido no <head> dos blogs, mas que diz respeito a outro serviço.

categorias:
[3/15]

Uma reunião de briefing é indispensável para que os pormenores e prazos do site sejam definidos e estabelecidos.
Conhecer o cliente e o que ele espera de nós é uma parte essencial para o trabalho que vamos desenvolver. O contacto através email ou telefone nem sempre é eficaz, e geralmente torna processo mais demorado.

Acontece por vezes o cliente não saber bem o que quer, ou querer coisas que não se adaptam de modo nenhum às suas necessidades só porque viu em algum sítio e gostou. Temos que saber aconselhar e se for preciso mostrar-lhe o caminho certo, lembrar-lhe que o site não é para ele, mas sim, para os seus clientes/visitantes.
E enquanto uns clientes deixam tudo nossas mãos e o que nós decidirmos, eles entendem que é bom, outros são muito dificies, por isso, estejam preparados para tudo..
De modo a facilitar o processo, antes de sairmos para uma reunião, devemos fazer o trabalho de casa: visitar sites do género daquele que vamos fazer, analizar, tirar notas e conclusões, para podermos fazer sugestões.

Numa reunião traçamos os perfis gerais: objectivos, público-alvo, conteúdos, navegação, e funcionalidades.

Objectivos do site
O objectivo base de um site é dar a conhecer e facilitar a comunicação entre a empresa ou instituição e possíveis clientes/utilizadores/visitantes. Logo, deve ser bem claro quanto à mensagem que pretende transmitir e ter funcionalidades que se adaptem à sua natureza.
Deve ser fácil e agradável de navegar, e deve proporcionar uma boa experiência de utilização.

O público alvo
População em geral, faixas etárias, géneros, nichos, etc.
Conhecer o público-alvo é determinante para uma comunicação visual adequada e eficaz. Cores, formas, elementos gráficos, tipos de fontes, tudo depende de a quem se destina o site.

Tipo de conteúdo
Deve ter uma linguagem adequada ao público-alvo, deve ser claro e conciso. Desaconselha-se sempre grandes testamentos, para não entediar o visitante. As pessoas nem sempre estão dispostas a perder muito tempo a ler, e captam melhor a mensagem se esta não tiver muitos rodeios. Muitas vezes, os visitantes já têm uma ideia do que procuram e se não encontram o que pretendem à primeira, abandonam o site.

Claro que existem excepções, e depende da natureza do site. No caso de sites de documentação (ex. reviews, descrições, publicações, referencias, wikis, blogs, etc), é natural que tenham longos textos, mas nesse caso, o visitante já sabe o que o espera. De qualquer forma, se vamos fazer alguém passar muito tempo a ler num site desse tipo, temos que lhe facilitar a leitura com recurso ao design.

Navegação
A navegação é muito importante. Menus pouco claros, navegação confusa, botões ou ligações em sítios estranhos, o não relacionamento de conteúdos, o mapa do site inexistente ou ineficaz, são inimigos do sucesso.
O site deve ser estruturado e desenhado de forma a facilitar o acesso a todas as áreas, de primeiro nível bem como secundárias
Deve ter um visual e navegação fácil, coerente, e persistente.

Funcionalidades
O que deve existir no site e que vai de encontro às necessidades do cliente ou do público-alvo, exemplo: formulários de contacto, recolha de informações sobre utilizadores, foruns de discussão, etc.
Apurando as funcionalidades necessárias, identificamos também o tipo de tecnologia a aplicar.

Da reunião resulta também um fluxograma e um rascunho do futuro site, com o possível posicionamento dos elementos e esquema de navegação. A partir daí ficamos com uma ideia clara e podemos passar à fase seguinte, que é desenvolver uma maquete.

Tudo deve ficar assente e elaborado num caderno de encargos, que deve ser aprovado e assinado por ambas as partes e cumprido na integra. Prazos, fases, e valores. Isto é a nossa melhor defesa, pois se da nossa parte for tudo cumprido, podemo-nos poupar a inúmeras chatices. Além disso, aquelas modificações chatas de última hora geralmente não se encontram no caderno e têm valor acrescido.

20.11.07
categorias:
Opá, que isto não é normal!!!
Mesmo com o plugin de anti-spam continuo a receber spam!!! O que é isto????

Sugestões?

19.11.07
categorias:
Ok, isto está a começar a assustar-me... primeiro aconteceu há uns meses com o meu iBook (está quase a fazer 4 anos) e agora aconteceu com o iMac (com 1 ano e meio) da minha sogra... então não é que apareceu uma linha vertical verde no ecrã?

vertical line

E olhando alí para os foruns de suporte da apple, o problema afecta muita gente, e há quem tenha o azar de ter para cima das 50 linhas...

Parece que afecta maioritariamente os iMacs de 17" e Powerbooks (ou pelo menos, são os donos destes que mais se queixam), a apple pouco ou nada faz sobre isso a não ser trocar o LCD e apresentar uma conta entre os 600-800$..

Há quem faça um reset à PRAM numa tentativa vã de que os seus problemas desapareçam. O que é certo é que não funciona...

categorias:

cash advance




Encontrado aqui! (mas saquei a parte da pub para fora ROTFL)

 

Isa. Webdesigner, geek, apple fangirl assumida, necessita tanto de uma ligação à internet como do ar que respira. Adepta das novas tecnologias e sempre atenta às novidades!

online